História dos Bombeiros Voluntários de Almoçageme

 

 

A história dos Bombeiros Voluntários de Almoçageme encontra-se devidamente descrita no livro " CEM ANOS DE SERVIÇO À COMUNIDADE"- 1895-1995, escrito pela historiadora Maria Teresa Caetano. Recomendamos a sua aquisição. Aqui, neste site, iremos destacar pequenos extractos do livro que nos dão uma visão global das datas mais significativas da nossa Corporação de Bombeiros.

 

 1895 

«Distando cerca de três quilómetros para sudoeste da Vila de Colares - e integrando a sua freguesia (concelho de Sintra) -, Almoçageme aninha-se na vertente noroeste da Serra de Sintra, já próximo do litoral. O núcleo habitacional primitivo desta aldeia desenvolve-se em círculo, a partir de uma densa malha urbana, sugerindo antigas origens, com as suas tortuosas e estreitas ruas.

Ao longo dos séculos, o seu alvo casaria de raiz vernacular solidamente erguido em alvenaria de pedra, exaltando os volumes cúbicos e os telhados mouriscos, foi-se espraiando pela encosta, cercado por pequenas hortas, pomares e vinhas que humanizam a paisagem, conferindo-lhe uma ambiência verdadeiramente rural.

No século XIX, a população de Almoçageme dedicava-se à exploração da terra, produzindo abundantes e variados legume, saborosas frutas (em particular, o pêssego rosa, a maçã raineta e a pera rocha) e uva da casta ramisco, a partir da qual se fabricava o famoso Vinho de Colares, hoje em completa decadência.

Por essa altura, o combate aos incêndios que, aliás, se observavam com alguma frequência, sobretudo nas medas de matos para as camas de gado acumuladas nos pátios, junto às casas, e nas chaminés, estava a cargo da própria comunidade que se organizava sempre que ocorresse qualquer fogo. Formavam-se, então, longas filas de homens e mulheres que, entre si, passavam baldes, canecos ou bilhas com água ao grupo mais afoito que os despejava nas chamas, enquanto outros, munidos de incipientes batedores, tentavam abafar as ondulantes labaredas. Contudo, estes métodos revelavam-se insuficientes para a extinção atempada dos incêndios, o que resultava quase sempre em significativos prejuízos, por vezes irrecuperáveis.

Porém, esta secular atitude perante o fogo alterar-se-ia na última década de oitocentos, quando um grupo de homens bons decidiu - na esteira do espírito associativista que caracterizou o país, sobretudo na segunda metade do séc. XIX, quando muitas das associações de cariz cultural e/ou social promoveram corporações de bombeiros, os quais contribuíram de forma inequívoca para a segurança e bem-estar das populações -, criar uma Associação de Bombeiros Voluntários, à semelhança do que, em termos regionais, se fizera em Paço D'Arcos (1893), Cascais (1886), Sintra (1890) e Colares (1890).»

O facto que deu origem à fundação dos Bombeiros Voluntários de Almoçageme teve lugar «durante os festejos em louvor da Nossa Senhora da Graça, em Outubro de 1893, verificou-se um grande incêndio provocado por um foguete [... do novo sistema de assobio, que, caindo sobre uma meda de mato (propriedade de José Valério Vicente) comunicou-lhes fogo, rapidamente por quatro partes, sendo impotentes todos os esforços para o debelar e apresentando, numas poucas horas, um aspecto imponente contemplado por centenas de pessoas que fizeram diferentes comentários.]. As inusitadas proporções deste fogo obrigou a que se recorresse aos préstimos dos Bombeiros de Colares, cuja bomba [ainda que tarde, devido à grande distância, prestou relevantes serviços].

Este facto, ao qual não serão alheios outros incêndios, porém, de menores proporções entretanto verificados, e certos bairrismos e rivalidades entre as populações e famílias patriarcas, nomeadamente os Gomes da Silva, em Almoçageme, e os Costa, em Colares - que aliás haviam dotado a Vila de um corpo de bombeiros e de uma banda, respectivamente em 1890 e 1891 - terá levado os almoçagemenses a cogitar na criação do seu próprio corpo de bombeiros.

No entanto, nada se conhece sobre o processo de organização da Associação dos Bombeiros Voluntários de Almoçageme, nem sobre os seus principais impulsionadores, porquanto não chegaram até nós quaisquer fontes escritas ou registos orais que nos permitam esclarecer o assunto. Hoje, apenas se sabe que esta ideia terá sido apadrinhada por José Gomes da Silva, capitalista e grande comerciante de Vinho de Colares que havia já incentivado a criação da filarmónica local, em 1892.

Este processo, devido a limitações várias - e à semelhança do sucedido na formação de outras instituições similares -, terá sido moroso, pois, apenas em 1895 se constituiu, na realidade, a Associação dos Bombeiros Voluntários de Almoçageme. Dos primeiros tempos de vida desta Associação chegaram até nós escassos testemunhos materiais. Por conseguinte, encontram-se depositadas no Museu Renato Lobo Garcia (Museu Monográfico da Associação dos Bombeiros Voluntários de Almoçageme) duas capas de couro, provavelmente pertencentes a livros de assentos e quotas, infelizmente já desaparecidos, que ostentam, picotada, a data de 19 de Agosto de 1895, o que nos permite, de imediato, colocar a hipótese de ser essa a data da fundação do Corpo de Bombeiros.» 

 

1896  

A primeira actuação da bomba e a construção do primeiro quartel.

 

«A bomba terá actuado pela primeira vez em Almoçageme, na extinção de um fogo ocorrido na noite de 7 de Maio de 1896. [ ] Sob o comando do primeiro patrão dos Bombeiros de Almoçageme, o Sr. José Francisco Pires. [ ] O local onde se alojava a bomba, não era um edifício próprio da Associação dos Bombeiros. Muito possivelmente, e à semelhança do que sucedeu com a Banda que se instalou numa casa dos Salgueiros pertencente a José Gomes da Silva, ter-se-á sediado numa casa ou qualquer outro espaço do mesmo proprietário.

[ ] Assim, com base na notícia que descreve a primeira intervenção dos Bombeiros de Almoçageme e no pressuposto evidenciado , cremos que que a construção do primeiro quartel datará de finais do século XIX. Essas instalações, que se mantiveram em funcionamento até cerca de 1948, resumem-se a um pequeno anexo tipicamente tardo-oitocentista de planta rectangular e com cobertura em duas águas, voltado para o largo e contíguo ao alçado leste da Igreja de Nossa Senhora da Conceição e ao muro sul do cemitério.» Seria posteriormente conhecida pela "Casa da Bomba".

Contacto

B.V. ALMOÇAGEME Av. Dr. Brandão Vasconcelos, 82 Almoçageme 2705-018 COLARES
URGÊNCIAS 21 928 817O
GERAL 21 928 8171
FAX 21 929 1973
SECRETARIA 21 928 8173
CENTRO CLÍNICO 21 928 8172
FISIOTERAPIA 21 928 8178
PAV. DESPORTIVO 21 928 0270
FARMÁCIA 21 928 3298
secretaria@bvalmocageme.pt